18 de abr de 2012

Como não perdoar quem eu amo.



Queria saber não perdoar a quem amo, porém não seria fácil. Compreendo que é difícil olhar as fotos e não relembrar aqueles belos momentos, olhar que naquela época ainda sorriamos, pensar em filmes, brincadeiras, brigas bobas, e aqueles eu te amo, variado de beijos, caricias, e desejos. 
É difícil perceber que estou te deixando ir, é difícil entender que meu coração não quer isso, mas preciso seguir a razão, talvez encontre alguém melhor do que você, ou talvez não, mas queria mesmo era te encontrar novamente dentro de outro corpo, só por orgulho bobo, de não dizer ao mundo que é com você que novamente estou.
Queria não te perdoar jamais, queria até te esquecer, mas não se esquecemos de quem foi bom o bastante, e de quem nos fez mal o bastante, pois se não quero te perdoar, então não posso esquecê-lo, pois se esquecer de você estarei o perdoando sem perceber.
Queria dizer tchau, virar pra traz e sorrir, mas se eu te deixar ir, eu choraria, lembraria de coisas doces ditas em noites quentes, frias, e noites de extrema carência, entre cobertores, edredons, naquele seu quarto, naquela sua cama, com aquelas almofadas fofas, que ficam, em cima dela.
Como queria deixar tudo isso pra traz seguir um novo rumo, e ser feliz, mas como ser feliz sem a tampa da minha panela? Mas se você me fazia sofrer é porque não era essa tal tampa, mas se estou lembrando-se de tantas coisas boas, como sei que me fez sofrer? 
Acho que foi desde aquela noite que me deixou em casa e saiu, eu precisei de você e você não voltou, eu chorei e você não soube. Porém me disse que mudou, que eu deveria dar outra chance para nos dois, e eu dei, sim dei outra e outra e outras varias novas chances, mais ainda não foi o suficiente para que você mudasse, na verdade nem quero tanto essa tal mudança, quero mesmo que seja aquela pessoa que um dia conseguiu me fazer sorrir por meses, que me fez delirar de paixão, que me fazia suspirar fundo, sentir borboletas voando dentro de mim, me fazia sentir uma tal vontade de louca de estar ao seus braços. 
Hoje não é mais assim, hoje somos apenas pessoas que se conhecem dividindo um mesmo ambiente, talvez parecendo que nem nos conhecemos, virando a cara, brigando, discutindo, saindo nervosos um com o outro, que horrível isso, alguém que um dia foi tudo pra mim, hoje não quer significar mais nada.
Então o que fazer quanto a isso? Será que aquele seu EU TE AMO, era de verdade, acho que sim pelo que vivemos, e acho que não pelo que me fez, ou o que querem me fazer acreditar, como dói essa tremenda duvida de deixar ou não ir aquele que com ele carregará metade do meu coração, será que conseguirei viver depois? Porém como viver sem ter dentro de si a outra metade de seu órgão precioso? Queria que o meu amor se localizasse no cérebro como os cientistas dizem, mas o meu é mesmo no coração, é tão puro e verdadeiro, que deixando-te ir, ele dói tanto, tanto, que se torna algo insuportável de conseguir segurar. Alguém, algum médico, por favor, me faça entender que dor é essa que não parece ter cura, será que isso some com o tempo, ou se tornará crônica? Oh meu Deus já não sei mais, tudo está completamente confuso, dentro de mim há três sentimentos, o amor, a duvida, e a angustia. Nunca li dei muito bem com nenhum deles, agora estão todos juntos em um único propósito, fazer-te ser expulso de dentro do meu peito, talvez por hoje, por amanhã, ou para sempre, de qualquer forma ainda não te perdoou, nem te esqueço, apenas peço que mude, mas não por mim, como já me fez acreditar, com suas famosas promessas que sempre insiste em me fazer acreditar, e me magoar de novo e de novo, quero apenas que seja diferente para que em um futuro, saiba dar valor aquele alguém que certamente estará ao seu lado, e te amará, talvez não tanto quanto eu, ou até mais que eu. Mas que você dê valor suficiente, para novamente não perder o amor da sua vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário